Histórias
de Impacto

terça, 01.09.2020

"Eu evitava sorrir, porque tinha muita vergonha", conta Deise, paciente da Turma do bem

Por Laura Guerra

Fotografia: Déborah Moreno
Fotografia: Déborah Moreno

Foi tudo muito rápido: aos 10 anos, Deise Kelly Santos da Silva escorregou na rampa da escola e quebrou metade de um dente da frente, que foi reconstruído numa clínica odontológica. "Mas o material acabou escurecendo menos de seis meses depois", conta a mãe, Maria Deuzimar de Assis Santos Santiago, 35 anos. E isso afetou a autoestima da menina. "Eu evitava sorrir, porque tinha muita vergonha", afirma Deise.

Três anos depois, ela foi selecionada para receber tratamento odontológico pela Turma do Bem em Fortaleza, onde a família mora. O tratamento foi realizado por dois profissionais de especialidades diferentes e incluiu limpeza, obturação por causa de cáries e reconstrução do dente afetado, com a colocação de uma nova prótese. "Foi um presente para a Deise, pois nós não tínhamos condições de arcar com as despesas do procedimento", diz a mãe.

Deise voltou a demonstrar alegria, e também aprendeu a cuidar melhor de sua saúde bucal. Além disso, sente-se inspirada pelo trabalho da Turma do Bem e até faz planos para o futuro: "Quero ser psicóloga para poder também ajudar as pessoas".

"Quero ser psicóloga para poder também ajudar as pessoas!"

Histórias relacionadas

 voltar para impacto